Após o anúncio em Novembro de 2016 do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (SISP) – órgão que cuida de boa parte da área de TI do governo federal brasileiro –  de que irá deixar de usar software livre para adquirir soluções da Microsoft, muito tem se falado a respeito dessa mudança.
O anúncio significou que o governo vai trocar programas de código aberto, para usar programas prontos oferecidos pela empresa norte-americana. Entre as soluções contratadas estão o Office, Windows Professional, Windows Server e Client Access License.

 O que é Software Livre?

Software Livre é conceituado como qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído sem nenhum tipo de restrição. Assim, além da sua utilização não estar vinculada ao pagamento de direitos autorais, a principal característica do Software Livre está na distribuição com o código fonte aberto, dando permissão a qualquer usuário de modificá-lo e adaptá-lo às suas necessidades individuais.

Problemas em se usar um Software Livre.

Não pode-se negar alguns benefícios do software open source. É grátis para usar! Você pode personalizá-lo tanto quanto quiser. Já que muitos podem “meter a mão” no código-fonte, significa que os problemas de segurança podem ser detectados rapidamente. Qualquer um pode corrigir os bugs: você não depende de um fabricante. Você não está preso a padrões proprietários. Finalmente, você não é deixado com um produto órfão se o fabricante sai do negócio ou simplesmente decide que o produto não é mais rentável.

No entanto, apesar de todos esses benefícios muito reais, existem circunstâncias em que usar software proprietário realmente faz muito mais sentido.

Aqui estão algumas das circunstâncias em que os produtos proprietários são uma escolha muito melhor do que o software livre.

1. Quando é mais fácil para usuários não qualificados

Pinguim Linux

O Linux teve causou um grande “Bum” no mercado de servidores, mas o mesmo não pode ser dito para o mercado de Desktops – e por uma boa razão. Apesar de ter avançado nos últimos anos, ainda é complicado para os usuários usarem e as interfaces de usuário das várias distribuições permanecem muito inferiores às do Windows ou Mac OS X.

Enquanto o Linux pode ser tecnicamente superior a esses sistemas operacionais proprietários, suas fraquezas significam que a maioria dos usuários terão grandes dificuldades no manuseio e, consequentemente, acharão muito difícil trabalhar com o mesmo. Isso significa menor produtividade, que provavelmente custará muito mais do que comprar um sistema operacional proprietário com o qual sua equipe está familiarizada.

2. Quando é de Fato Padrão

A maioria dos usuários estão familiarizados com o Microsoft Word e o Excel. Embora existam alguns excelentes alternativas de código aberto para o Office , como o LibreOffice e Apache OpenOffice , eles não são idênticos em termos de funcionalidade ou interface de usuário, performance, plugins e APIs para integração com produtos de terceiros. Eles provavelmente estão próximos, mas em algumas ocasiões há o risco de que essas diferenças causem problemas – especialmente quando houver troca de documentos com fornecedores ou clientes.

Também faz sentido usar software proprietário em áreas especializadas onde, por exemplo, os alunos de uma universidades possam ter recebido o treinamento usando um software proprietário. O software pode não ser necessariamente melhor, mas pode ser sido selecionado por uma universidade ao invés  de uma solução de código aberto. Quando isso acontece, os alunos conhecem melhor o software e serão mais produtivos usando-o. Afinal de contas, quando passarem a um ambiente de negócios, faz mais sentido que eles continuem com o software que estão acostumados de trabalhar.

3. Melhor Suporte

Existem casos em que há suporte técnico a um software livre, seja da empresa líder do projeto ou de um terceiro separado. Este não é o caso muitas vezes e pode ser um problema.

Alguns clientes preferem ter suporte ao produto 24x 7 e estão dispostos a pagar por um SLA (acordo de nível de serviço) que irá fornecer uma resposta num curto espaço de tempo. As pessoas geralmente respondem rapidamente a consultas publicadas nas páginas de fórum de projetos de código aberto, mas isso não é a mesma coisa que uma resposta garantida de um fornecedor em resposta a uma chamada telefônica gratuita.

4. Quando você precisa de SaaS

O software em nuvem é ligeiramente diferente do software convencional. Via de regra, você não tem acesso ao código-fonte, mesmo se o software hospedado na nuvem for inteiramente construído utilizando software de código aberto. Apesar disso não torná-lo um software proprietário, tampouco lhe dá os benefícios do código aberto. Assim sendo, os benefícios de usar um software como serviço “SaaS” superam a desvantagem de não ter acesso ao código-fonte.

5. Quando o software proprietário funciona melhor com seu hardware

Muitos tipos de hardware proprietário requerem drivers especializados, estes são muitas vezes de fonte fechada e disponível apenas a partir do fabricante do equipamento. Mesmo quando existe um driver de código aberto, pode não ser a melhor opção. Os desenvolvedores de código aberto podem não ser capazes de “ver”o hardware, então o driver proprietário pode funcionar melhor.

6. Quando as Garantias e a Indenização de Responsabilidade são Importantes

Algumas empresas de software de código aberto, como a Red Hat, são estruturadas para serem como fabricantes de software proprietário. Eles, portanto, oferecem garantias e se responsabilizam por seus produtos, assim como fabricantes de software proprietário fazem. Essas empresas são exatamente o mesmo que as empresas de software proprietário.

Para cada Red Hat, porém, existem muitos projetos de código aberto que não são apoiados por uma organização comercial. Enquanto você pode obter garantias e responsabilidade de um terceiro, em muitos casos, você não vai. Se isso não for adequado para você ou para as políticas de suprimento de software da sua empresa, é aconselhável encontrar um fornecedor proprietário.

7. Quando você precisa de um fornecedor que vai estar por perto

Sim, não há garantia de que um fornecedor de software comercial vai ficar com um produto se a demanda cair tanto que não seja mais rentável mantê-lo. A própria empresa pode até mesmo sair do negócio. Mas se um projeto open source é pequeno, há também um perigo de que a pessoa por trás dele possa perder o interesse. Se isso acontecer, pode não ser fácil encontrar outro desenvolvedor de código aberto para intervir.

Isto pode ser mais do que um argumento contra pequenos projetos de código aberto do que um argumento a favor do software proprietário – mas pelo menos você pode se manter atento ao fato e tomar uma decisão informada sobre eles estarem ou não susceptíveis a se manter no mercado após alguns anos, para honrar qualquer compromisso para com sua empresa.

Conclusão

Enquanto o software livre pode, em certas ocasiões, ser uma escolha melhor do que ofertas funcionalmente semelhantes de softwares proprietários, não faz sentido ser demasiado dogmático sobre eles. Software livre pode ser um problema ou uma solução, dependo de suas necessidades e de seus conhecimentos sobre o assunto. Mas, em geral, no que se refere ao usuário final, o Software proprietário tende a ser uma decisão mais acertada.